• Rafael Bernardino

Após meses de isolamento, comunicação das equipes se tornou estática e isolada, diz estudo da Micros


Adaptação ao modelo de trabalho remoto levou trabalhadores a se comunicarem menos e a trabalharem mais

A pandemia mudou os hábitos dos trabalhadores e o formato do trabalho colaborativo. Ainda que diversas ferramentas tenham se popularizado para auxiliar as equipes, após algum tempo de uso, a adoção delas não foi capaz de manter a comunicação interna aquecida.



Um estudo realizado com 61.000 funcionários da Microsoft mostrou que, após alguns meses de isolamento, o trabalho remoto em toda a empresa fez com que a rede de colaboração se tornasse mais estática e isolada.



Em uma prévia do estudo publicado na Nature Human Behavior, nesta quinta-feira (09), pesquisadores da Microsoft mostram como colegas da empresa mudaram seus padrões de comunicação e colaboração durante os primeiros meses de isolamento.



Segundo informações do The Register, o estudo apontou que o isolamento fez com que trabalhadores tivessem menos probabilidade de se comunicar com pessoas de fora de suas equipes de negócios direto, em comparação com o tempo que passaram no escritório.

A Microsoft disse em postagem no blog que o tempo de colaboração gasto pelos funcionários com conexões entre grupos caiu cerca de 25% do nível pré-pandemia. Ao mesmo tempo, houve uma diminuição da comunicação síncrona - ligações, videoconferências ou reuniões presenciais - e um aumento na comunicação assíncrona - e-mail, SMS ou chat corporativo, os dados de e-mails, calendários, mensagens instantâneas e chamadas de vídeo/áudio.



Para a equipe de pesquisa liderada por Longqi Yang, pesquisador sênior aplicado da Microsoft, esses efeitos, juntos, podem tornar mais difícil para os funcionários adquirir e compartilhar novas informações na rede.

No comunicado, a empresa argumenta que mesmo que as empresas adotem o trabalho híbrido, os efeitos sobre os padrões de colaboração ainda estariam presentes, embora ligeiramente atenuados.

Fonte: https://computerworld.com.br/

0 visualização0 comentário